Possuir equipes ágeis em tempos de crise, adaptáveis e que saibam lidar com os desafios impostos, passou de opção para uma necessidade latente no mundo corporativo.

A configuração de mercado vem mudando nos últimos anos, com uma dinâmica ainda mais alternativa para os dias atuais, e ainda mais agora diante da pandemia da covid-19, que mudou a rotina e os processos dentro das corporações.

Mas, afinal, como engajar colaboradores, trazendo agilidade aos processos? Pode parecer algo que demanda uma cultura organizacional bem estruturada, mas há recursos que seu próprio negócio já dispõe para isso.

Por exemplo: Como superar os obstáculos do trabalho remoto? Pois saiba que isso não apenas pode ser vencido, como também é uma oportunidade para criar as equipes ágeis das quais sua empresa tanto precisa.

Para isso, é necessário entender como todo esse processo deve funcionar hoje em dia e quais suas vantagens em um ambiente tão diferenciado como o atual.

Primeiramente, vamos destacar como o time da sua organização pode criar um networking interno, pilar base de uma equipe moderna. Para isso, ela precisa:

  • Ser descentralizada, com os processos não passando apenas por níveis hierárquicos, mas pela troca de informação entre profissionais e setores;
  • Ter capacidade de utilizar recursos adicionais ao invés de trabalhar apenas com o que é estabelecido pela direção do negócio (por exemplo, sistemas, softwares, aplicativos e outros recursos tecnológicos);
  • Ter metas baseadas em produtividade, diferentemente daquelas estabelecidas pela jornada de trabalho convencional;
  • Contar com a aproximação dos colaboradores no ambiente digital, impedindo que o entrosamento e as relações humanas, indispensáveis para vários profissionais, esfrie e torne o processo mais difícil;
  • Utilizar de um sistema em rede para trabalhos presenciais e remotos, englobando todas as características que citamos acima.

O CEO da Tesla e da SpaceX, Elon Musk, é enfático: quando não há problemas de gargalo produtivo na sua empresa, então há algo errado. “Se as coisas não estão falhando, você não está inovando o suficiente”, diz o bilionário e filantropo.

Isso significa que os problemas são parte de qualquer ramo empresarial, ainda mais nesse momento. Então, é preciso inovar para sempre seguir em frente. Isso está intimamente ligado com criar equipes ágeis dia após dia.

A teoria não é suficiente para que isso seja aplicado de forma efetiva dentro do negócio. Nesse ínterim, é preciso seguir uma série de medidas que podem trazer esses resultados efetivos para o contexto empresarial.

É preciso fazer uma análise global de todos os processos: como sua equipe está engajada, qual processo de centralização com os cargos mais altos da empresa e quanto a equipe está dispersa quanto às rotinas produtivas comuns do seu negócio;

Com esses dados, pode-se construir um “mapa” no qual é possível fazer a conexão (puxe linhas de um local para outro), entre os processos que estão dando certo. Aqueles que ficarem com poucas ligações (ou nenhuma) precisam de atenção;

Conte com as várias habilidades da sua equipe, criando times que cumpram as lacunas de forma conjunta;

Consequentemente, é necessário dar autonomia para a tomada de decisão nos mais variados setores, ou seja, aqueles momentos que os colaboradores podem transformar em céleres sem necessitar passar por cargos gerenciais;

Todo esse processo traz uma hierarquia de necessidades e prazos, o que o ajuda a cumprir os desafios que os tempos de crise trazem;

Não esqueça que a imagem dos mais altos postos, principalmente dos diretores do negócio, precisa estar em sintonia com todo esse contexto, ou seja, o melhor exemplo sempre partirá da mais alta gestão;

Para fechar, realize encontros regulares pelos dispositivos digitais (utilizando o Google Meet, Skype ou Zoom, por exemplo) para mensurar todo esse processo, introduzindo o feedback da equipe sobre como as coisas podem ser ainda mais ágeis.

Não obstante, é preciso colher frutos dessas ações. Do que adiantaria agilidade sem resultado? Equipes estruturadas sem crescimento orgânico? Adotar todas essas medidas traz resultados importantes.

Primeiramente, a finalidade esperada: agilidade em processos com uma equipe entrosada, em sintonia e engajada. Consequentemente, temos a manutenção dos talentos que você possui, ou seja, diminuição do turnorver (rotatividade de funcionários).

Manter a equipe, como citamos acima, é indispensável para que os resultados apareçam com fluidez a médio e longo prazo. Mesmo nas trocas, é possível adaptar o novo colaborador junto às rotinas organizacionais, em razão da autonomia que a equipe possui.

Em complemento, os desafios que surgem têm respostas rápidas e que são eficazes. Por exemplo, a adoção de novas ferramentas em uma inédita proposta de trabalho pode ser feita com a destreza de seu time.

O mais importante: resultados na produtividade e, consequentemente, nos indicadores financeiros. Em resumo, equipes ágeis em tempos de crise são um diferencial competitivo indispensável no abrangente mercado moderno.

E bons negócios!