Em geral, sabemos que no mundo inteiro estão havendo situações de incertezas e instabilidades econômicas em decorrência da crise causada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Por esse motivo, podemos perceber o quanto as empresas são impactadas por esse momento, inclusive o setor de Recursos Humanos.

Afinal, os impactos causados oferecem prejuízos tanto para a gestão de pessoas quanto para a própria empresa. Nesse cenário, é primordial dispor de recursos, sistemas e estratégias para mitigar os efeitos da crise no setor e fazer com que a empresa obtenha um ritmo competitivo eficiente em seu setor de atuação.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, confira o artigo até o final e entenda um pouco mais sobre os impactos da crise nas empresas.

Antes de tudo, podemos entender que qualquer empresa no mercado — e de qualquer ramo — precisa criar um planejamento estratégico eficiente para sobreviver ao mercado atual e tornar-se escalável. A ideia, em geral, é oferecer um produto ou serviço que se adapte às novas modalidades de consumo e, assim, consiga ser competitivo.

Contudo, sabemos que no cenário global apenas ações ainda não são o suficiente. Isso porque a crise do novo coronavírus fez com que as empresas digitalizassem suas atividades, já que houve uma redução de clientes frequentando lojas físicas. Em consequência disso, passamos a perceber um movimento cada vez mais contínuo na internet, especialmente a compra de produtos e serviços em negócios que já têm uma presença digital.

Assim, o entendimento de marketing, análise de processos, métricas de desempenho e novos modelos de gestão passaram a ser prioridade nos negócios atuais. Todas essas habilidades e competências indicam a real importância de conhecer o novo comportamento do consumidor, bem como suas dores, necessidades e principais objeções acerca da compra de um produto ou serviço em influência da crise.

Mas, muito mais do que isso, é dispor dessas estratégias fazendo um paralelo à necessidade de reduzir custos para reduzir os efeitos negativos no fluxo de caixa.

Em consequência da necessidade de incorporar ferramentas e sistemas tecnológicos nas empresas, o RH também sofre mudanças severas em sua rotina de trabalho. Um exemplo a citar é a inserção cada vez mais constante da AI (Inteligência Artificial) para mudar a forma em que as atividades são conduzidas.

Um sistema bastante utilizado nesse setor é o Cloud Computing, ou popularmente conhecido como computação em nuvem. Esse sistema digitaliza grande parte das atividades organizacionais, promovendo redução de custos com capital humano, maquinário, impressões, infraestrutura e demais objetos de escritório.

Além de tornar as atividades laborais mais práticas, a computação em nuvem também oferece maior proteção aos dados sensíveis, como dados pessoais de clientes, colaboradores e até mesmo da própria empresa em questão. Com a chegada da LGPD, é crucial manter os dados pessoais protegidos, criptografados e sob demais diretrizes impostas pela Lei de Proteção de Dados.

Currículos e triagens agora são analisados através de softwares automatizados, que já são programados para identificar pré-requisitos importantes no recrutamento e seleção. Além disso, as tradicionais entrevistas presenciais agora estão sendo realizadas de forma digital, a fim de reduzir cada vez mais os custos internos da empresa e tornando os processos cada vez mais práticos, otimizados e eficientes.

Além disso, atualmente já existem ferramentas e softwares capazes de oferecer maior praticidade nas rotinas de RH, como é o caso de desenvolvimento de equipes, gestão de benefícios, controle de honorários, folhas de pagamento de colaboradores e demais processos no eSocial. Os trabalhos excessivamente manuais estão sendo substituídos por organismos inteligentes e que oferecem uma gama de atividades com apenas uma ação.

Conclusão

Em resumo, podemos perceber que o novo cenário econômico causado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) somente evidencia a necessidade das empresas de adaptar-se à nova realidade, a fim de continuar sendo competitivos – mas, sobretudo, econômicos – em um período de instabilidade.

Em decorrência da paralisação de serviços e atividades profissionais, o número de pessoas desempregadas acabou aumentando de forma significativa. Com isso, a quarentena serviu como um momento importante para que empresas, funcionários e profissionais busquem se adaptar através da qualificação.

O Setor de Recursos Humanos precisa estar ligado a questões mais práticas e otimizadas, a fim de mitigar os efeitos da instabilidade econômica. Buscar alternativas mais sustentáveis é o primeiro passo para a competitividade no mercado e nada mais estratégico nesse momento do que atentar-se ao que a tecnologia está oferecendo de interessante nesse período conturbado.