Você também comete estes 3 erros que podem causar a mortalidade da sua empresa?

É tão sonhado o momento da inauguração de um negócio. Você economiza anos ou investe o que tem e todas as suas energias para esse momento. É como o nascimento de um filho e podemos dizer que o trabalho, cuidado e atenção para a sua empresa andar na linha é relativamente igual, mas no final das contas, vale a pena!

Só não valerá a pena se você tiver que sair desse negócio numa situação mais difícil do que a que entrou. Ter que fechar as portas é sempre uma experiência terrível para qualquer um.

Queremos nas próximas linhas dar algumas dicas para você evitar ter que “andar na corda bamba” e se porventura você estiver vivendo um momento difícil e não sabe para onde ir, tenha calma, pois se já identificou possíveis falhas é um ótimo sinal de que está pronto para mudar seu destino empresarial.

Conheça os 3 principais erros que podem causar a mortalidade de empresa:

1 – Deixa comigo, eu sei tudo desse mercado!

Saiba identificar se você sabe tudo desse mercado ou se você particularmente se acha um expert. Lembre-se, uma empresa não depende apenas de você saber operar máquinas, vender ou saber fabricar ou ser ótimo do outro lado do balcão. Você precisa ter uma boa gestão e na verdade não precisa saber fazer isso sozinho, o que inclusive nem é recomendado.

Tratar a administração como uma tarefa exclusivamente do empreendedor é um erro altamente perigoso que pode causar a mortalidade de empresa. Afinal, quem faz tudo sozinho, jamais conseguirá se dedicar à altura do que cada processo exige.

Não se preocupe se você não sabe tudo, você não precisa disso. Uma boa assessoria contábil vale cada centavo de investimento para você evitar cair nessa armadilha e você ganha na outra ponta da saúde do seu negócio e em dobro.

2 – Misturar as contas pessoais com as da empresa

Você já nem sabe o que é seu e o que é da sua empresa. No final, você acaba considerando que tudo é seu, afinal a empresa está em seu nome e o cartão está sob seu alcance, então qual é o problema?

Existe um grave erro aqui, pois a empresa deve ser considerada uma “pessoa”. A sigla PJ não é por acaso, e a pessoa jurídica possui suas responsabilidades, assim como suas obrigações. O empreendedor é apenas o comandante. Por isso, ser o dono não significa que você pode fazer o que quiser e como bem entender. Mas claro, nós estamos falando do ponto de vista de uma gestão adequada.

É preciso administrar as finanças para encontrar o ponto de equilíbrio entre receitas e despesas, calcular e estimar ou definir retiradas dos sócios por meio de pró-labore, como também com relação à participação nos lucros, se é que os lucros existem.

Muitas empresas não conseguem calcular se existem os lucros e no final do mês estão sempre correndo contra o tempo para ir recebendo e pagando. É um desgaste sem fim e obviamente elas também podem cair na tão infeliz taxa de mortalidade de empresa.

Ter uma relação de cuidado e carinho com os balancetes, fazer o fechamento mensal e contar com uma boa estratégia contábil é o caminho para ter uma boa participação financeira e também para manter o seu negócio no rumo do crescimento.

3 – Falta de controle com o fluxo de caixa

Parece tudo tão certo, você vendeu esse mês R$10 mil e no caderno estavam as contas a pagar. Após a somatória deu pouco mais de R$6 mil, você estava feliz que sobraria R$4 mil para curtir sua vida, afinal sua empresa já está com lucro de 40%.

No momento de pagar as contas acontece algo que você não consegue entender e todo mês é a mesma coisa. Após liquidar as contas de consumo, o aluguel e a folha de pagamento de funcionários, o dinheiro simplesmente some.

Ficam as guias, o cartão e o empréstimo de capital de giro sem o pagamento na data (o que vai gerar altos juros e multas), mesmo você sabendo que vendeu mais do que as “contas”. Será que sua calculadora está com defeito?

Não é exatamente essa a resposta! A sua calculadora está normal e o seu extrato bancário também, mas lhe faltou a previsibilidade que só seria possível por meio de uma gestão financeira adequada e é aqui que sua empresa sofre um “infarto”. Doença grave que só cresce se não for solucionada no menor tempo possível e ainda pode gerar a tão temida mortalidade de sua empresa.

 Veja algumas consequências da má gestão no fluxo de caixa:

1.    Prejuízos e queda sistemática nos lucros;

2.    Crescimento de dívidas bancárias;

3.    Pagamento de fornecedores atrasados e falta de mercadoria;

4.    Acúmulo de passivos tributários;

5.    Folha de pagamento de funcionários em atraso e processos trabalhistas;

Além dos pontos acima, existem muitos outros erros que são cometidos e que podem te levar para um caminho sem volta, por isso é sempre melhor prevenir do que remediar.

Empresas especializadas em Consultoria Contábil existem para te ajudar a evitar processos e experiências traumáticas e mais do que isso é o melhor investimento que você pode fazer.

Ao contar com uma equipe totalmente focada para cuidar da sua estratégia contábil e fiscal, lhe sobrará o tempo necessário para tomar decisões internas mais acertadas. Isso refletirá no aumento da produtividade, na criação de novas soluções podendo, por exemplo, avaliar com mais atenção às necessidades de seus clientes, possibilitando novos negócios, o aumento no faturamento e muito mais.

É investindo que se lucra mais!